Make your own free website on Tripod.com


Escola Secundária/3 José Cardoso Pires
Ano Lectivo 2006-2007

11º ano – Português

Ficha informativa sobre o texto narrativo e A Cidade e as Serras, de Eça de Queirós

Atenta nas principais características do texto narrativo:

Tanto o conto como a novela se diferenciam do romance não só pela sua menor extensão, mas também, e sobretudo, por possuírem caracteres estruturais muito diversos (intimamente conexionados, como é óbvio, com a extensão).

 O conto é uma história breve, de enredo simples e linear, caracterizado por uma forte concentração da diégese, do tempo e do espaço. O facto de o conto ser uma história breve não implica que um conto perfeitamente estruturado possa ser desenvolvido num romance, pois a estrutura do conto, quando autenticamente realizada, é irreversível. O conto é alheio à intenção romanesca de representar o fluir do destino humano e a formação e o amadurecimento de uma personagem, pois a sua concentração estrutural não comporta a análise minuciosa das vivências do indivíduo e das suas relações com os outros. Um curto episódio, um caso humano interessante, uma recordação, ele., constituem o conteúdo do conto. Arte de sugestão, o conto aproxima-se muitas vezes da poesia, e no período romântico, por exemplo, transformou-se com muita frequência numa forma literária fantástica.

 A novela define-se fundamentalmente por ser a representação de um acontecimento, sem a amplidão do romance no tratamento das personagens e do enredo. Se figurarmos a história romanesca como uma árvore, frondosa e larga, podemos figurar a história da novela como um ramo arrancado a uma árvore. Esta analogia exprime o carácter condensado da acção, do tempo e do espaço na novela, bem como o ritmo apressado do desenvolvimento da sua intriga. As longas digressões e descrições próprias do romance desaparecem na novela, bem como as exaustivas análises psicológicas das personagens. Mesmo quando uma novela tem o ar de «durar», não é da maneira lenta e imprevisível do romance. Nascida de um aspecto por vezes muito fugidio da vida, conserva uma instantaneidade constante que, num romance, fatigaria e sobrecarregaria o leitor».

 Tipologia do romance:

·          de acção ou acontecimento: intriga concentrada e fortemente desenhada. É dado o primeiro plano às situações. A análise psicológica das personagens e a descrição do meio ficam para lugar mais secundário.

Exemplos: Os romances de Walter Scott, ou de Alexandre Dumas;

·          de personagem: uma única personagem centraliza em si toda a sequência do romance, havendo uma propensão para o subjectivismo lírico. O título é, com frequência o nome da personagem.

      Exemplos: Werther (Goethe); Adolphe (Benjamim Constant) Raphael (Lamartine)

·          de espaço: dá primazia à pintura do meio histórico e dos ambientes sociais em que decorre a intriga.

Exemplos: Os Romances de Balzac (Comédie Humaine), de Zola (Germinal); de Tolstoi (Guerra e Paz).

 

A época de Eça de Queirós

ð A mentalidade ultrapassada dos românticos encontrou oposição directa na nova visão do mundo dos realistas, liderados, em Portugal, pelos jovens que estudavam na Universidade de Coimbra, conduzidos pelas fórmulas vanguardistas europeias como o Evolucionismo de Darwin, o Socialismo de Proudhon, o Determinismo de Taine e o Positivismo de Comte.

ð Eclode, então, a chamada Questão Coimbrã, uma árdua luta artística entre os realistas, conduzidos por Antero de Quental, e os românticos, representados por António Feliciano de Castilho.

ð A poesia realista pretendia ser a arma de combate ao espírito decadente e mórbido do movimento romântico, percebendo-se a intenção de se engajar nos problemas sociais e construir uma inquietante manifestação crítica. O romance e o conto preocupam-se em atacar os valores institucionais e a burguesia em decadência, analisando e criticando o casamento em declínio e o sistema burguês.

ð Gustave Flaubert, criador do romance realista com Madame Bovary, tem em Eça de Queirós um seguidor que, numa linguagem preciosa e maleável, retrata fielmente a sociedade portuguesa do século XIX.

ð A Cidade e as Serras, uma das obras primas de Eça de Queirós, foi publicada em 1901, depois da morte do autor. A perfeição estilística e a riqueza de detalhes, características de Eça, levam o leitor a questionar conjuntamente duas concepções de vida preconizadas no livro: o campo e a cidade. Grande parte da revisão da obra foi feita por Ramalho Ortigão, uma vez que Eça de Queirós já havia sido surpreendido pela morte.

ð Os contos “Suave milagre”, “Adão e Eva no paraíso” e, principalmente, “Civilização”, considerado a semente de A Cidade e as Serras, já antecipavam uma postura na qual se defendia a ideia de que a felicidade estaria na Natureza. Essa tese de que o homem só é feliz longe da civilização, na vida simples do campo, distante do Progresso, da máquina, constitui uma viragem na carreira de Eça de Queirós, dirigida, a partir daí, na superação da ironia e sátira dissolvente em prol de uma concepção de vida mais larga e humanitária, em que a crença substitui o cepticismo anterior.

ð O homem, esmagado pela Técnica e pelo Progresso, reencontra a Natureza e outros valores menos sofisticados e automáticos, defendidos pela gente simples da Serra. Observado por este prisma, o livro desvia-se para a defesa da direita, tentando lançar a ideia de que a esperança há-de substituir a descrença, surgindo um escritor de tom memorialista e idealista, um utópico pensador que não abre mão da sua perspectiva crítica e do toque irónico.

EÇA DE QUEIRÓS E A SUA OBRA

Distinguem-se na obra do grande realista português, fundamentalmente, três fases:

1ª fase - Romântica
(Prosas Bárbaras), em que os temas e a idealização de atmosferas e tipos são ainda românticos, mas os processos de descrição já realistas; o estilo apresenta processos expressivos de feição simbolista.

2ª fase - Realista
(O Crime do Padre Amaro, O Primo Basílio, Os Maias), em que verdadeiramente cria o romance de costumes, com a análise objectiva e critica da sociedade.

3ª fase - Realista também
(A Ilustre Casa de Ramires, A Cidade e as Serras, Últimas Páginas), mas em que as tendências, por vezes excessivas, da segunda fase se moderam e o sarcasmo se atenua e mitiga, mediante um sentimento nacional mais afectivo que cerebral.

A obra

Tendo-se dedicado à carreira diplomática, Eça de Queirós inicia assim a sua vida de viajante e «cidadão do mundo», o que lhe dá urna visão diferente, mais objectiva e mais real da vida portuguesa. Dessa maneira, observa, como estrangeiro, as fraquezas, as limitações e os ridículos da sociedade nacional; como português, porém, conhece «por dentro» e ama cada vez mais intensamente o seu país. Com esse amor, dia a dia sublimado, ele rodeia de poesia muitos aspectos da vida portuguesa.

A sua obra intentava ser um vasto e exaustivo inventário da sociedade portuguesa e, embora o não consiga totalmente, a sua obra talvez maior - Os Maias - é um fresco extenso da alta burguesia e da aristocracia do fim do século.

Os Maias  desenvolvem-se em duas instâncias, correspondentes respectivamente ao título e subtítulo: uma instância trágica e psicológica que nos pode fazê-lo classificar como romance psicológico, e uma instância cómica e satírica que nos leva a considerá-lo como um romance de costumes ou documental.

Eça é notável sobretudo pela criação de atmosferas e tipos arrancados à realidade. As suas tendências realistas, fundamentadas num cientismo psicológico, fazem-lhe encarar certas realidades lamentáveis à luz das suas causas e consequências, sem, contudo, deixar de condenar o erro. Assim, vemos Luísa (personagem de O Primo Basílio), cujo erro foi condicionado por diversas circunstâncias de educação, temperamento e casualidades fortuitas. Ela não errou por força do destino ou por sujeição a uma fatalidade: errou por causas bem determinadas, e objectivamente analisadas. Luísa é, porém, terrivelmente castigada pelo sucesso dos acontecimentos. O caso de Amaro (O Crime do Padre Amaro) é simétrico e paralelo: ele é o produto de uma sociedade errada e de uma educação viciosa.

A terceira fase da sua obra corresponde a uma atitude nova do seu espírito - em que mitiga o sarcasmo e modera a análise.

A Cidade e as Serras vem, com efeito, demonstrar que é errada a inicial fórmula metafísica de Jacinto: Suma Potência X Suma Ciência = Suma Felicidade

Pelo contrário, o desenvolvimento do romance vem demonstrar, através da evolução espiritual de Jacinto, que a Suma Felicidade depende, sim, da Suma Simplicidade.

Um dos aspectos mais curiosos que se vão acentuando nas suas últimas obras, sobretudo em A Cidade e as Serras  e em A Ilustre Casa de Ramires é o enternecimento cada vez mais acentuado e purificado do romancista pela Terra Portuguesa: a que cheira bem, a que dá felicidade através do tradicionalismo e da sanidade de costumes:

«Acordei envolto num largo e doce silêncio. [...] - Acorda, homem, que estás na tua terra! [...] - Então é Portugal, hein?... Cheira bem - Está claro que cheira bem ... » (A Cidade e as Serras, cap. VIII).

Gonçalo, personagem de A Ilustre Casa de Ramires, é bem o símbolo do Portugal que Eça ama: misto de bravura, idealismo e bondade; de pusilanimidade, ingenuidade e mania de grandezas.

Numa apreciação geral da obra de Eça reconhecemos, pois, como característica essencial, o seu espírito saudável que se manifesta através duma sadia ironia e que sabe que o riso, cujo elogio chega a fazer em Notas Contemporâneas, é a forma mais pura da expressão humana e da crítica.

O Estilo

Foi, contudo, talvez como estilista que Eça mais se impôs na Literatura Portuguesa. Efectivamente, é com ele que um sopro arejado e vivificador vem renovar a língua portuguesa que perde, porventura, em vernaculidade e em pureza, mas ganha em maleabilidade e possibilidades expressivas. Amadurecida a partir de Vieira, a língua portuguesa apresenta, por assim dizer, a mesma grave fisionomia durante os séculos XVIII e XIX, excepção feita a Garrett. A partir de Eça de Queirós, vemo-nos, finalmente, na posse duma língua dúctil, aligeirada, adaptada às necessidades modernas da expressão.

Vejamos as principais características sistematizáveis no seu estilo:

 ·          uso do discurso semidirecto, que assim se transfere para um plano de objectividade analítica;

·          desnivelamento da adjectivação (hipálage), isto é: a um substantivo concreto atribui uma qualidade de ordem abstracta; a um ser inanimado confere atributos humanos, e vice-versa: monte facundo de jornais, luz pensativa; adro grave, etc. Este aspecto confere à sua prosa um tom inesperado e surpreendente;

·          uso do estilo impressionista, com a notação de sensações que, sugeridas ao leitor, lhe permitem reconstituir a realidade: as suas descrições de paisagens e ambientes são feitas, sobretudo, através de indicação de cores, tonalidades, ruídos, aromas, sensações de quente, frio, etc.

·          indicação do pormenor material: cruz de pedra, corrente de ferro, etc.;

·          capacidade de criação imagética que confere à sua linguagem um tom poético, de tal forma que poderá dizer-se deste prosador que nunca é prosaico.

 Quanto aos processos de construção romanesca, apontaremos sobretudo o processo realista de começar a acção no meio; o leitor é posto imediatamente no interior do ambiente em que vai decorrer a intriga.

Eça descreve não o ambiente, mas os dados concretos desse ambiente.

Quanto às personagens, procede identicamente: é através do vestuário, dos ademanes, da linguagem, das ideias expressas que nós, leitores, reconstituímos uma dada personagem. Desse modo, tal como na vida real, não é logo ao primeiro contacto que nos é delineada a personalidade em questão; mas é no decorrer do entrecho, depois de intervenções sucessivas, que nos é permitido travar conhecimento cada vez mais completo com cada personagem.

In Maria Leonor Carvalhão BUESCU, Apontamentos de Literatura Portuguesa. Porto: Porto Editora, 1984

A CIDADE E AS SERRAS (1901) 

É uma obra menos perfeita do que A Ilustre Casa de Ramires, na sua urdidura, mas o artista da língua nela nos oferece momentos sugestivos de parnasianismo.

Eça sugere, aqui, o tema clássico do elogio da «aurea mediocritas», quando mostra que nem é o fausto, nem o conforto, nem a ciência que fazem o homem feliz, mas, sim, uma vida calma, simples e natural. O tema temas suas raízes no Cancioneiro Geral, como vimos já em João Roiz de Castelo Branco. E Eça vai provar que o hipercivilizado Jacinto que, no 202, como diz sugestivamente o Grilo, sofria de fartura não encontrou nesses dois temas da sua equação metafísica a solução - suma felicidade que dava como certa. Foi encontrá-la no remanso de Tormes, para onde se deslocou contrariado, por dever de consciência de homem elegante, mas onde acabou por lançar fundas raízes. O conto Civilização é, sem dúvida, o sugestivo embrião desta obra que é a chave de ouro da sua realização literária.

Mas seria Eça verdadeiramente sincero quando equacionou estes valores desta forma? É Cidade / Campo ou Ócio / Trabalho que ele visa?

A descrição que faz da vida do campo é, quanto a nós, mais uma forma de idealização à maneira de Júlio Dinis. Há, porém, uma carta de Eça onde toma uma atitude diferente. Nela, de acordo com D. Francisco Manuel de Meio, considera estúpida a vida provinciana.

Revela-se, sim, um extraordinário paisagista. As descrições de A Cidade e as Serras são um mimo nessa natureza colhida do real, mas enriquecida pela animização. Concretizam o pensamento de Fradique Mendes! «A arte é um resumo da Natureza feito pela imaginação».

Faz análise psicológica de Jacinto, salientando a reviravolta do seu espírito de homem superinteligente, supercivilizado e superaborrecido, ao simples contacto com a vida campesina.

Pela estrutura, pelo conteúdo, não pode considerar-se uma obra realista. Há nela um forte predomínio da fantasia criada em volta da realidade. Eça não conhecia bem a vida de Paris, pois a rede do seu convívio, aí, era constituída essencialmente por portugueses. Daí, a falta de realidade na apresentação desse ambiente citadino. Não têm psicologia individual as personagens que cria para o convívio de Jacinto - o grão-duque, as «cocottes», Madame d'Oriol, os Tréves espiritistas...

E, embora idealizada, a 2ª parte de glorificação nacionalista aproxima-se mais do ambiente rústico que nela procurou pintar. 

A narrativa é apresentada por uma personagem secundária. José Fernandes, o amigo, conta-nos a história desse «Príncipe da Grã-Ventura», remontando às origens, mas chegando rapidamente aos tempos em que Jacinto, formulada a sua «Equação Metafísica», Suma Ciência X Suma Potência = Suma Felicidade, se apaixonava com as maravilhas da técnica. Veja-se como, em duas pinceladas, com meia dúzia de frases sóbrias, traça o retrato do avô de Jacinto. José Fernandes, entretanto, vai a Guiães. Passaram-se sete anos. Regressa a Paris. A Civilização instalara-se no 202. Mas o olhar de Jacinto «já não faiscava a antiga vivacidade». E, contrariamente ao que José Fernandes pensava, ao deixar Jacinto nesse primeiro dia de reencontro, Jacinto já não recolhia da Civilização «a felicidade perfeita». E a vida do seu Príncipe começou a revelar-se-lhe duramente «Uma seca!» Como o rei dos Persas, «Espalhava pela mesa um olhar já farto». «Nenhum prato, por mais engenhoso, o seduzia». Aborrecia-se com o movimento e barulho das ruas, concordava com a apreciação do amigo quanto ao aspecto da cidade. «É feio, é muito feio!», dizia; desinteressava-se do tão decantado Bosque de Bolonha. Tudo começou a ser «uma maçada amarga». E, no jantar oferecido ao Grão­Duque, «declarou que hoje a única emoção, verdadeiramente fina, seria aniquilar a Civilização. Nem a ciência, nem as artes, nem o dinheiro, nem o amor, podiam já dar um gosto intenso e real às nossas almas saciadas. Todo o prazer que se extraíra do crear estava esgotado. Só restava, agora, o divino prazer de destruir!» O elevador avariado fez-lhe desabafar, ao terminar a dita festa: «Uma maçada! E tudo falha!»

Chega, entretanto, três dias depois, a notícia da tempestade que entulhara «os ossos veneráveis dos Jacintos» em Tormes.

A vida no 202 piorava. O próprio José Fernandes faz uma experiência sentimental que lhe deixa conhecer «os limos, os lixos, os tortulhos e os vermes d'uma Civilização que apodrece».

E Jacinto «atravessava uma densa névoa de tédio, tão densa, e ele (tão) afundado na sua mole densidade... »; «Em que lodoso fastio caíra!». Sofria de fartura, como dizia o Grilo.

A Cidade passou a ser «uma ilusão perversa!» Filosofando, «fumava pensativos cigarros».

Na ausência de Zé Fernandes que resolvera viajar, o tédio de Jacinto progrediu. Vivia um «pessimismo irritado». Convencera-se que «Sofrer... era inseparável de Viver». E afundou-se no Eclesiastes de Schopenhauer e nos líricos e teóricos do pessimismo. Dessa fase passou à do Humanitarismo, mas concluía, sempre desiludido: «Que maçada!»

Caiu na indiferença. E, no dia em que festejava os seus trinta e quatro anos, bradou para o Grilo: «- Eu hoje não estou em Paris para ninguém. Abalei para o campo, abalei para Marselha... Morri!». Viveu durante esse dia momentos de «preguiçoso silêncio», de «pensativo silêncio». Na biblioteca, atulhada de livros, igualmente nada havia para ler. E, depois de uma investigação aturada a tentar descobrir uma distracção, apenas descobriu nessa floresta de mimos da Civilização «um velho Diário de Notícias», que levou para o quarto, «para dormir, para esquecer.» (Note-se, mais uma vez, o sugestivo contraste em Eça.)

E foi, então, que, ao findar o Inverno desse ano, decidiu «partir para Tormes». Apetrechou-se com tudo o que lhe parecia necessário para passar um mês sem sentir tanto a falta do conforto de que gozava no 202. À sua chegada a Tormes, porém, nada encontrou. As coisas tinham seguido outro destino. Ninguém os esperava na estação, depois de uma viagem pitorescamente contada por Eça. Mas a conversão ia-se operando: «Que doçura, que paz!» «Que beleza!», ia dizendo à vista dos encantos da serra.

No desapontamento da chegada a uma casa arruinada e sem conforto ainda rugia: «Um horror! Uma infâmia!», mas a beleza da paisagem, a paz, «o jantarinho» com a tosca louça, com o seu excelente «caldo de galinha», o seu arroz de favas, a sua infusa de vinho, venceram. (Ainda aqui o contraste entre o hipercivilizado Jacinto e o Jacinto com uma camisa grosseira.) Na paz idílica do campo, tão poeticamente descrito por Eça, encontrou a felicidade e Schopenhauer foi considerado uma «engenhosa besta», «e maior besta eu, que o servia, que me desolava com sinceridade». E Jacinto acabou por lançar «raízes, e rijas, e amorosas raízes na sua rude serra», de que Eça nos oferece preciosos momentos de descrição já com pinceladas parnasianas: «As hastes das mimosas ramalhavam, arrepiadas», «Estávamos entrando na alameda. Um raio de sol, saindo de entre duas grossas, algodoadas nuvens, passou sobre a esquina do casarão, ao fundo, uma viva tira de ouro...» E, depois, surge o retrato rápido da «Joaninha», «com quem casou em Maio, na capelinha de azulejos, quando o grande pé da roseira se cobrira todo de rosas». Os quadros vão-se desenhando artisticamente para dar satisfação ao aguarelista.

E é Zé Fernandes o portador da grande renovação de Jacinto às suas relações em Paris, com grande desapontamento de todos. «Indecentemente ­ Que canalha!», desabafou Marizac, quando ouviu Zé Fernandes dizer que Jacinto era «espantosamente, loucamente feliz».

É assim que o amigo o vem encontrar, no regresso a Tormes, oferecendo-nos, então, Eça, a bela descrição de mais um maravilhoso momento vivido em Tormes, quando «tão longe de amarguradas e de falsas delícias, trilhando um solo eterno, e de eterna solidez, com a alma contente, e Deus contente de nós, serenamente e seguramente subíamos - para o Castelo da Grã-Ventura!»

Estava, pois, provada a excelência da simples vida campestre sobre os excessos desgastantes da vida citadina.

Gonçalo focalizou A Ilustre Casa de Ramires; Jacinto, A Cidade e as Serras; Fradique irá ser o centro de interesse de A Correspondência de Fradique Mendes, reduzindo, desta forma, os grandes painéis sociais da 2ª fase.

In Lilaz CARRIÇO, Literatura Prática – 11º ano de escolaridade. Porto: Porto Editora, 4ª edição, 1986

 

Análise da obra A Cidade e as Serras, de Eça de Queirós

Publicado em 1901, no ano seguinte ao da morte de Eça de Queirós, o romance A Cidade e as Serras foi desenvolvido a partir da ideia central contida no conto Civilização, datado de 1892. É um romance denso, belo, ao longo do qual Eça de Queirós ironiza ferrenhamente os males da civilização, fazendo elogio dos valores da natureza. É uma obra das mais significativas de Eça de Queirós. Nela o escritor relata a travessia de Jacinto de Tormes, um ferrenho adepto do progresso e da civilização - da cidade para as serras. Ele troca o mundo civilizado, repleto de comodidades provenientes do progresso tecnológico, pelo mundo natural, selvagem, primitivo e pouco confortável, no sentido dos bens que caracterizam a vida urbana moderna, mas onde encontra a felicidade, mudando radicalmente de opinião.

A Cidade e as Serras preconiza uma relação entre as elites e as classes subalternas na qual aquelas promovessem estas socialmente, como faz Jacinto ao reformar sua propriedade no campo e melhorar as condições vida dos trabalhadores. Por meio da personagem central, Jacinto de Tormes, que representa a elite portuguesa, a obra critica-lhe o estilo de vida afrancesado e desprovido de autenticidade, que enaltece o progresso urbano e industrial e se desenraíza do solo e da cultura do país. Na obra, a apologia da natureza não pode ser confundida com o elogio da mesmice e da mediocridade da vida campestre de Portugal. Ao contrário, trata-se de agigantar o espírito lusitano, em seu carácter activo e trabalhador. Assim, podemos afirmar que depois da tese (a hipervalorização da civilização) e da antítese (a hiperdesvalorização da natureza), o protagonista busca a síntese, ou seja, o equilíbrio, que vem da racionalização e da modernização da vida no campo. Um argumento para tal interpretação está no facto de que, quando se desloca para a serra, Jacinto sente um irresistível ímpeto empreendedor, que luta inclusive contra as resistências dos empregados.


Concluindo, Jacinto de Tormes, ao buscar a felicidade, empreendeu uma viagem que o reencontrou consigo mesmo e com o seu país. Tal viagem, que concomitantemente é exterior e interior, abarca a pátria portuguesa e reveste-se de uma significação particular, podendo ser lida como um processo de auto-conhecimento: um novo Portugal e um novo português se percebem nas serras que querem utilizar da cidade o necessário para se civilizarem sem se corromperem.


Podemos considerar A Cidade e as Serras um romance no qual se destaca a categoria espaço, na medida em que os ambientes são fundamentais para a compreensão da história, destacando-se os contrastes por meio dos quais se contrapõem. Assim, a amplidão da quinta de Tormes contrasta com a estreiteza do universo tecnológico do 202, o que aponta para a oposição entre o espaço civilizado e o espaço natural, presente em todo o romance. 

Foco narrativo


Escrito em primeira pessoa, em A Cidade e as Serras, como na maioria dos romances de Eça de Queirós, há um narrador-personagem, José Fernandes, o qual não se confunde com o protagonista da obra, Jacinto de Tormes. Este narrador coloca-se como menos importante do que o protagonista, como podemos perceber, por exemplo, no início da obra. Nos primeiros parágrafos do livro, o narrador, em vez de se apresentar ao leitor, coloca-se em segundo plano para apresentar toda a descendência dos de Tormes, até aparecer a figura de Jacinto. Além disso, dá-lhe tratamento diferenciado, parecendo idealizar Jacinto, na medida em que lhe chama o "Príncipe da Grã-Ventura", conforme apelido estudantil do protagonista. 

Personagens

Uma particularidade da personagem José Fernandes está na importância que dá aos instintos, sobrepondo-os à sua capacidade de sentir ou de pensar. Assim, tanto desilusões amorosas quanto preocupações sociais são tratadas com almoços extraordinários. Ao longo do romance, ele procura provar o engano que as crenças civilizacionais do seu amigo, Jacinto de Tormes, podem conduzir, embora o admire exageradamente.


Jacinto de Tormes é filho de uma família de fidalgos portugueses, mas nascido e criado em Paris. Vive cercado de artefactos da civilização e de tudo o que a ciência produz de mais moderno. Entretanto, o excesso de ócio e conforto cria-lhe tédio, a ponto de fazê-lo perder o apetite, a sede lendária, a robustez física e a disposição intelectual da juventude. Levado pelas circunstâncias a conhecer as suas propriedades nas serras portuguesas, apaixona-se pelo campo, lá introduzindo algumas inovações. Mesmo em contacto com a natureza, Jacinto não abandona alguns dos seus hábitos urbanos. Desenha futuras hortas, planeia bibliotecas na quinta, traz banheiras e vidros desconhecidos dos habitantes do lugar. Por fim, manda instalar uma linha telefónica nas serras, o que comprova que no fundo não houve grandes modificações nas suas crenças.


Ele representa não apenas uma crítica do escritor à ultracivilização, mas também a utopia de um novo Portugal, uma nova pátria, capaz de modernizar-se, sem perder as tradições e as particularidades nacionais. Trata-se, enfim, de um D. Sebastião actualizado pelo socialismo e pelo positivismo. A trajectória percorrida pelo protagonista Jacinto de Tormes deve-se, em grande parte, às instâncias e insistências de José Fernandes, que ao mesmo tempo é contador da história e um de seus personagens principais.


Os personagens ligados à vida no campo caracterizam-se por atitudes simples e transparentes, embora tradicionalistas. Um exemplo pode ser o avô de Jacinto, Galeão, cuja ligação ancestral com o referido ambiente manifesta-se pela total devoção à realeza absolutista, que o leva a abandonar Portugal depois da expulsão de D. Miguel. Entretanto, a melhor representação desse grupo de personagens da obra pode ser atribuída a Joaninha, a mulher por quem Jacinto se apaixona, graças aos seus atributos naturais e à sua simplicidade de espírito. 

Enredo

O narrador centraliza o seu interesse na figura de um certo Jacinto, descrevendo-o como um homem extremamente forte e rico, que, embora tenha nascido em Paris, no 202 dos Campos Elíseos, tem os seus proventos recolhidos de Portugal, onde a família possui extensas terras, desde os tempos de D. Dinis, com plantações e produção de vinho, cortiça e oliveira, que lhe rendem bastante dinheiro. O avô de Jacinto, também Jacinto, gordo e rico, a quem chamavam D. Galeão, era um fanático miguelista. Quando D. Miguel deixou o poder, Jacinto Galeão exilou-se voluntariamente em Paris, lá morrendo de indigestão. D. Angelina Fafes, após a morte do marido, não regressou a Portugal, e, em Paris, criou o seu filho, o franzino e adoentado Cintinho, que se casou com a filha de um desembargador, nascendo desta união o nosso protagonista.


Desde pequeno, Jacinto brilhara, quer pela sua inteligência, quer pelas suas capacidades. Aos 23 anos tornou-se um soberbo rapaz, vestido impecavelmente, cabelos e bigodes bem tratados, e feliz da vida. Tudo de melhor acontecia com ele, sendo chamado pelos companheiros de “Príncipe da Grã-Ventura”. Positivista animado, Jacinto defendia a ideia de que “o homem só é superiormente feliz quando é superiormente civilizado”. A maior preocupação de Jacinto era defender a tese de que a civilização é a cidade grande, é a máquina e o progresso que chegavam através do fonógrafo, do telefone cujos fios cortam milhares de ruas, dos barulhos de veículos, das multidões... Civilização é enxergar à frente.


«Com estes olhos que recebemos da Madre Natureza, lestos e sãos, nós podemos apenas distinguir além, através da Avenida, naquela loja, uma vidraça alumiada. Nada mais! Se eu porém aos meus olhos juntar os dois vidros simples de um binóculo de corridas, percebo, por trás da vidraça, presuntos, queijos, boiões de geleia e caixas de ameixa seca. Concluo, portanto, que é uma mercearia. Obtive uma noção: tenho sobre ti, que com os olhos desarmados vês só o luzir da vidraça, uma vantagem positiva. Se agora, em vez destes vidros simples, eu usasse os de meu telescópio, de composição mais científica, poderia avistar além, no planeta Marte, os mares, as neves, os canais, o recorte dos golfos, toda a geografia de um astro que circula a milhares de léguas dos Campos Elísios. É outra noção, e tremenda! Tens aqui, pois, o olho primitivo, o da natureza, elevado pela Civilização à sua máxima potência da visão. E desde já, pelo lado do olho, portanto, eu, civilizado, sou mais feliz que o incivilizado, porque descubro realidades do universo que ele não suspeita e de que está privado. Aplica esta prova a todos os órgãos e compreende o meu princípio. Enquanto à inteligência, e à felicidade que dela se tira pela incansável acumulação das noções, só te peço que compares Renan e o Grilo... Claro é, portanto, que nos devemos cercar de Civilização nas máximas proporções para gozar nas máximas proporções a vantagem de viver.»


Em Fevereiro de 1880, José Fernandes foi chamado pelo tio e parte para Guiães e, somente após sete anos de vida na província, retorna e reencontra Jacinto no 202 dos Campos Elíseos. O narrador presenciou coisas espantosas: um elevador para ligar dois andares do palacete; no gabinete de trabalho havia aparelhos mecânicos cheios de artifício; e, enquanto Jacinto escreve para Madame d’Oriol, José Fernandes visita uma enorme biblioteca de trinta mil títulos, os mais diversos possíveis, dos mais renomeados autores às mais diferentes ciências. A visita termina com uma refeição em que foram servidas as mais sofisticadas iguarias e um convite de Jacinto ao narrador para que ele se hospede no 202. 

Primeiros desencantos

 José Fernandes, a partir daí, pôde observar com maior atenção o amigo; as suas intensas actividades desgastavam-no e, com o passar do tempo, constatou que Jacinto foi perdendo a credulidade, percebendo a futilidade das pessoas com quem convivia, a inutilidade de muitas coisas da sua tão decantada civilização. Nos raros momentos em que conseguiam passear, confessava ao amigo que o barulho das ruas o incomodava, a multidão o molestava: ele atravessava um período de nítido desencanto. Alguns incidentes contribuíram sobremaneira para afectar o estado de ânimo de Jacinto: o rompimento de um dos tubos da sala de banho, fazendo jorrar água quente por todo o quarto, inundando os tapetes, foi o bastante para aparecer uma pilha de telegramas, alguns inclusive com um riso sarcástico, como o do Grão-duque Casimiro, dizendo que não mais apareceria pelo 202 sem que tivesse uma bóia de salvação.


As reuniões sociais estavam a ficar maçadoras. Numa recepção ao Grão-Duque, Jacinto já não aguentava o farfalhar das sedas das mulheres quando lhes explicava o uso dos diferentes aparelhos, o tetrafone, o numerador de páginas, o microfone... O criado veio informá-lo de que o peixe a ser servido ficara preso no elevador e os convidados puseram-se a pescá-lo, inutilmente, porque o peixe acabou a não ir para a mesa, facto que deixou ainda mais aborrecido o anfitrião.


«Claramente percebia eu que o meu Jacinto atravessava uma densa névoa de tédio, tão densa, e ele tão afundado na sua mole densidade, que as glórias ou os tormentos de um camarada não o comoviam, como muito remotas, inatingíveis, separadas da sua sensibilidade por imensas camadas de algodão. Pobre Príncipe Grã-Ventura, tombado para o sofá de inércia, com os pés no regaço do pedicuro! Em que lodoso fastio caíra, depois de renovar tão brava mente todo o recheio mecânico e erudito do 202, na sua luta contra a força e a matéria!»


Preocupado, Zé Fernandes consulta o fiel criado Grilo sobre o que está a ocorrer com Jacinto. O homem respondeu com tamanho conhecimento de causa que espantou o narrador. Uma simples palavra poderia definir todo o tédio de que era acometido: o patrão sofria de “fartura”.


«Era fartura! O meu Príncipe sentia abafadamente a fartura de Paris; e na Cidade, na simbólica Cidade, fora de cuja vida culta e forte (como ele outrora gritava, iluminado) o homem do século XIX nunca poderia saborear plenamente a "delícia de viver", ele não encontrava agora forma de vida, espiritual ou social, que o interessasse, lhe valesse o esforço de uma corrida curta numa tipóia fácil. Pobre Jacinto! Um jornal velho, setenta vezes relido desde a crónica até aos anúncios, com a tinta delida, as dobras roídas, não enfastiaria mais o solitário, que só possuísse na sua solidão esse alimento intelectual, do que o parisianismo enfastiava o meu doce camarada! Se eu nesse verão capciosamente o arrastava a um café-concerto, ou ao festivo Pavilhão d'Armenonville, o meu bom Jacinto, colado pesadamente à cadeira, com um maravilhoso ramos de orquídeas na casaca, as finas mãos abatidas sobre o castão da bengala, conservava toda a noite uma gravidade tão estafada, que eu, compadecido, me erguia, o libertava, gozando a sua pressa em abalar, a sua fuga de ave solta... Raramente (e então com veemente arranque como quem salta um fosso) descia a um dos seus clubes, ao fundo dos Campos Elíseos. Não se ocupara mais das suas sociedades e companhias, nem dos telefones de Constantinopla, nem das religiões esotéricas, nem do bazar espiritualista, cujas cartas fechadas se amontoavam sobre a mesa de ébano, de onde o Grilo as varria tristemente como o lixo de uma vida finda. Também lentamente se despegava de todas as suas convivências. As páginas da agenda cor-de-rosa murcha andavam desafogadas e brancas. E se ainda cediam a um passeio de mail-coach, ou a um convite para algum castelo amigos dos arredores de Paris, era tão arrastadamente, com um esforço saturado ao enfiar o paletó leve, que me lembrava sempre um homem, depois de um gordo jantar de província, a estalar, que, por polidez ou em obediência a um dogma, devesse ainda comer uma lampreia de ovos!

Jazer, jazer em casa, na segurança das portas bem cerradas e bem fendidas contra toda a intrusão do mundo, seria uma doçura para o meu Príncipe se o seu próprio 202, com todo aquele tremendo recheio de Civilização, não lhe desse uma sensação dolorosa de abafamento, de atulhamento!»


Certo dia, enquanto esperavam ser recebidos por Madame d'Oriol, José Fernandes e Jacinto subiram à Basílica do Sacré-Coeur, em construção no alto de Montmartre. Ao recostarem-se na borda do terraço, puderam contemplar Paris envolta em uma nuvem cinzenta e fria, motivando profunda reflexões, pois a cidade - tão cheia de vida, de ouro, de riquezas, de cultura e resplandecência, incluindo o soberbo 202, com todas as suas sofisticações - estava agora sucumbida sob as nuvens cinzentas, a cidade não passava de uma ilusão.


«(...) uma ilusão! E a mais amarga, porque o homem pensa ter na cidade a base de toda a sua grandeza e só nela tem a fonte de toda a sua miséria. Vê, Jacinto! Na Cidade perdeu ele a força e beleza harmoniosa do corpo e se tornou esse ser ressequido e escanifrado ou obeso e afogado em unto de ossos moles como trapos, de nervos trémulos como arames, com cangalhas, com chinós, com dentaduras de chumbo sem sangue, sem febre, sem viço, torto, corcunda - esse ser em que Deus, espantado , mal pôde reconhecer o seu esbelto e rijo e nobre Adão! Na Cidade findou a sua liberdade moral; cada manhã ela lhe impõe uma necessidade, e cada necessidade o arremessa para uma dependência; pobre e subalterno, a sua vida é um constante solicitar, adular, vergar, rastejar, aturar: rico e superior como um Jacinto, a sociedade logo o enreda em tradições, preceitos, etiquetas, cerimónias, prazer, ritos, serviços mais disciplinares que os de um cárcere ou de um quartel... A sua tranquilidade (bem tão alto que Deus com ele recompensa os santos) onde está, meu Jacinto? Sumida para sempre, nessa batalha desesperada pelo pão ou pela fama, ou pelo poder, ou pelo gozo, ou pela fugidia rodela de ouro! Alegria como a haverá na Cidade para esses milhões de seres que tumultuam na arquejante ocupação de desejar - e que, nunca fartando o desejo, incessantemente padecem de desilusão, desesperança ou derrota? Os sentimentos mais genuinamente humanos logo na cidade se desumanizam! Vê, meu Jacinto! São como luzes que o áspero vento do viver social não deixa arder com serenidade e limpidez; e aqui abala e faz tremer; e além brutamente apaga; e adiante obriga a flamejar com desnaturada violência. As amizades nunca passam de alianças que o interesse, na hora inquietada da defesa ou na hora sôfrega do assalto, ata apressadamente com um cordel apressado, e que estalam ao menor embate da rivalidade ou do orgulho. E o amor, na Cidade, meu gentil Jacinto? Considera esses vastos armazéns com espelhos; onde a nobre carne de Eva se vende, tarifada ao arrátel, como a de vaca! Contempla esse velho deus do himeneu, que circula trazendo em vez do ondeante facho da paixão a apertada carteira do dote! (...) Mas o que a Cidade mais deteriora no homem é a Inteligência, porque ou lha arregimenta dentro da banalidade ou lha empurra para a extravagância. Nesta densa e pairante camada de ideias e fórmulas que constitui a atmosfera mental das cidades, o homem que a respira, nela envolto, só pensa todos os pensamentos já pensados só exprime todas as expressões já exprimidas; ou então, para se destacar na pardacenta e chata rotina e trepar ao frágil andaime da gloríola, inventa num gemente esforço, inchando o crânio, uma novidade disforme que espante e que detenha a multidão. (...)

Assim, meu Jacinto, na Cidade, nesta criação tão antinatural onde o solo é de pau e feltro e alcatrão, e o carvão tapa o céu, e agente vive acamada nos prédios com o paninho nas lojas, e a claridade vem pelos canos, e as mentiras se murmuram através de arames - o homem aparece como uma criatura anti-humana, sem beleza, sem força, sem liberdade, sem riso, sem sentimento, e trazendo em si uma espírito que é passivo como um escravo ou impudente como um histrião... E aqui tem o belo Jacinto o que é a bela Cidade!»


Zé Fernandes continuou a filosofar, acrescentando preocupações de carácter pessoal, indagando a posição dos pequenos que, como vermes, se arrastavam pelo chão, enquanto os poderosos os massacravam; eles iam às óperas aquecidos, lançando aos pobres não mais que algumas migalhas. Religiosamente, acreditava ser necessário um novo Messias que ensinasse às multidões a humildade e a mansidão.


«Só uma estreita e reluzente casta goza na Cidade e os gozos especiais que ele a cria. O resto, a escura, imensa plebe, só nela sofre, e com sofrimento especiais, que só nela existem! (...) A tua Civilização reclama incansavelmente regalos e pompas, que só obterá, nesta amarga desarmonia social, se o capital der ao trabalho, por cada arquejante esforço, uma migalha ratinhada. Irremediável é, pois, que incessantemente a plebe sirva, a plebe pene! A sua esfalfada miséria é a condição do esplendor sereno da Cidade. (...)

Pensativamente deixou a borda do terraço, como se a presença da Cidade, estendida na planície, fosse escandalosa. E caminhamos devagar, sob a moleza cinzenta da tarde, filosofando - considerando que para esta iniquidade não havia cura humana, trazida pelo esforço humano. Ah, os Efrains, os Trèves, os vorazes e sombrios tubarões do mar humano, só abandonarão ou afrouxarão a exploração das plebes, se uma influência celeste, por milagre novo, mais alto que os milagres velhos, lhes converter as almas! O burguês triunfa, muito forte, todo endurecido no pecado - e contra ele são impotentes os prantos dos humanitários, os raciocínios dos lógicos, as bombas dos anarquistas. Para amolecer tão duro granito só uma doçura divina. Eis pois a esperança da Terra novamente posta num Messias!...»

De Schopenhauer ao Eclesiastes: pessimismo

 Como já havia planeado, o narrador partiu para uma viagem pela Europa e, ao retornar, procurou o amigo e tentou descobrir o que lhe passava na alma, pois encontrou-o mais pessimista que nunca, depressão revelada pelas leituras do Eclesiastes e do filósofo pessimista Schopenhauer. Nestas leituras, encontrava um certo amparo aos comprovar que todo o mal era resultante de uma lei universal e, a partir daí, encontrou uma grata ocupação - maldizer a vida. Ao mesmo tempo, sobrecarregou sua existência com fervores humanísticos. Mas de nada adiantava, pois Jacinto estava desolado. No Inverno escuro e pessimista, Jacinto acordou certa manhã e comunicou a José Fernandes que estava de partida para Tormes. Decidiu viajar ao receber uma carta de Silvério, o seu procurador, que dizia estarem concluídos os trabalhos de reconstrução da capela para onde seriam trasladados os restos mortais dos seus avós que ele não conhecera, mas de que o 202 estava cheio de recordações.


Os preparativos para a viagem envolveram uma mudança da civilização para as serras. Jacinto encaixotou camas de penas, banheiras, cortinas, divãs, tapetes, livros, despachou tudo para poder enfrentar com conforto um mês nas serras. Enquanto isso, renascia nele o amor pela cidade.


Partiram os dois amigos de volta a Portugal. As cidades passavam pelas janelas do trem: de França para Espanha, de Espanha para Portugal... Tomado por uma suave emoção, José Fernandes estava feliz em rever a pátria; Jacinto, aborrecido e enfadado principalmente porque, em Medina (Espanha), as malas ficaram em compartimentos errados quando foi feita a mudança de comboio. O narrador, com o intuito de aclamar o amigo, diz-lhe que a Companhia cuidaria de tudo. E ficaram os dois só com a roupa do corpo. Enfim, chegaram a Tormes.


«...e ambos em pé, às janelas, esperamos com alvoroço a pequenina estação de Tormes, termo ditoso das nossas provações. Ela apareceu enfim, clara e simples, à beira do rio, entre rochas, com sues vistoso girassóis enchendo um jardinzinho breve, as duas altas figueiras assombreando o pátio, e por trás, a serra coberta de velho e denso arvoredo.»


Desembarcaram em Tormes, onde o narrador encontrou o velho amigo Pimenta, chefe da estação. Após apresentar-lhe o senhor de Tormes, indagou por Silvério, o procurador de Jacinto em terras portuguesas. Começaram então outros desastres da viagem. Silvério não os aguardava: havia partido há dois meses para Castelo de Vide. Os criados Grilo e Anatole estavam aparentemente com as 23 malas noutro compartimento, não foram encontrados; o comboio apitou e partiu, deixando os dois sem nada. Não havia cavalos para atravessarem a serra, pois Melchior, o caseiro, não os esperava senão para o mês seguinte. Pimenta arranjou-lhes uma égua e um burro e ambos seguiram serra cima, esquecendo, por alguns instantes, os infortúnios passados enquanto contemplavam a beleza da paisagem. O pior ainda estava por acontecer: os caixotes despachados de Paris há quatro meses não haviam chegado, e o mais civilizado dos homens estava totalmente à mercê das serras. Como ninguém os esperava, a casa não estava pronta para recebê-los, a reforma acontecia devagar, os telhados ainda continuavam sem telhas, as vidraças sem vidros. Zé Fernandes sugeriu que rumassem para a casa de sua tia Vicência em Guiães e Jacinto retorquiu que ia mesmo para Lisboa.


Melchior arranjou como pôde um jantarzinho, caseiro e simples, longe das comidas sofisticadas, das taças de cristal, dos metais e porcelanas. Uma comida que serviu para matar gostosamente a fome dos viajantes. O senhor de Tormes regalou-se com o jantar que lhe parecera, à primeira vista, insuportável; e o caseiro, diante das manifestações de regozijo perante a comida, pensou que o seu senhor passava fome em Paris.


«O bom caseiro sinceramente cria que, perdido nesses remotos Parises, o senhor de Tormes, longe da fartura de Tormes, padecia fome e minguava... E o meu Príncipe, na verdade, parecia saciar uma velhíssima fome e uma longa saudade da abundância, rompendo assim, a cada travessa, em louvores mais copiosos. Diante do louro frango assado no espeto e da salada que ele apetecera na horta, agora temperada com um azeite da serra digno dos lábios de Platão, terminou por bradar: - "É divino!" Mas nada o entusiasmava como um vinho de Tormes, caindo do alto, da bojuda infusa verde - um vinho fresco, esperto, seivoso, e tendo mais alma, entrando mais na alma, que muito poema ou livro santo. Mirando, à vela de sebo, o copo grosso que ele orlava de leve espuma rósea, o meu Príncipe, com um resplendor de optimismo na face, citou Virgílio:

- Quo te carmina dicam, Rethica? Quem dignamente te cantará, vinho amável desta serras?»


Após o jantar, ambos ficaram a contemplar o céu cheio de estrelas, passaram a ver os astros que na cidade não se dignavam ou não conseguiam observar. O narrador ia-se deixando levar por um contacto tão estreito com a paisagem, que em breve surgia uma identificação total do homem com a natureza e em tudo se percebia Deus, num claro processo panteísta muito comum entre os romântico e que Eça passou a assumir.


«- Oh Jacinto, que estrela é esta, aqui, tão viva, sobre o beiral do telhado?

- Não sei...

- E aquela, Zé Fernandes, além, por cima do pinheiral?

- Não sei.

Não sabíamos. Eu, por causa da espessa crosta de ignorância com que saí do ventre de Coimbra, minha mãe espiritual. Ele, porque na sua biblioteca possuía trezentos e oito tratados sobre astronomia, e o saber, assim acumulado, forma um monte que nunca se transpõe nem se desbasta. Mas que nos importava que aquele astro além se chamasse Sírio e aquele outro Aldebarã? Que lhes importava a eles que um de nós fosse Jacinto, outro Zé? Eles tão imensos, nós tão pequeninos, somos a obra da mesma vontade. E todos, Uranos ou Lorenas de Noronha e Sande, constituímos modos diversos de um ser único, e as nossas diversidades esparsas somam na mesma compacta unidade. Moléculas do mesmo todo, governadas pela mesma lei, rolando para o mesmo fim... Do astro ao homem, do homem à flor do trevo, da flor do trevo ao mar sonoro – tudo é o mesmo corpo, onde circula como um sangue, o mesmo deus. E nenhum frémito de vida, pormenor, passa numa fibra desse sublime corpo, que se não repercuta em todas, até às mais humildes, até às que parecem inertes e invitais. Quando um sol que não avisto, nunca avistarei, morre de inanição nas profundidades, esse esguio galho de limoeiro, embaixo na horta, sente um secreto arrepio de morte; e, quando eu bato uma patada no soalho de Tormes, além o monstruoso Saturno estremece, e esse estremecimento percorre o inteiro Universo! Jacinto abateu rijamente a mão no rebordo da janela. Eu gritei:

- Acredita!... O sol tremeu.»

E depois (como eu notei) devíamos considerar que, sobre cada um desses grãos de pó luminoso, existia uma criação, que incessantemente nasce, perece, renasce.»


O cansaço vence os dois viajantes. José Fernandes adormece sob os apelos de Jacinto para que lhe enviasse algumas peças de roupa branca e lhe reservasse alojamento num bom hotel de Lisboa. Uma semana depois de José Fernandes ter partido para Guiães, recebeu as suas malas e imediatamente enviou um telegrama para Lisboa, endereçado ao hotel Bragança, agradecendo pela bagagem que foi encontrada e alegrando-se pelo amigo estar novamente a gozar os privilégios de seres civilizados. No entanto, não obteve resposta. Certo dia, o narrador, ao voltar da Flor da Malva, da casa de sua prima Joaninha, parou na venda de Manuel Rico, e ficou a saber algo surpreendente através do sobrinho de Melchior: Jacinto permanecia em Tormes já há cinco semanas. Ao visitar Jacinto, José Fernandes encontrou-o totalmente mudado, física e mentalmente. Nada nele denunciava um homem franzino; estava encorpado, corado, como um verdadeiro montês.


«Mas o meu novíssimo amigo, debruçado da janela, batia as palmas – como Catão para chamar os servos, na Roma simples. E gritava:

- Ana Vaqueira! Um copo de água, bem lavado, da fonte velha!
Pulei, imensamente divertido:

- Oh Jacinto! E as águas carbonatadas? E as fosfatadas? E as esterilizadas? E as sódicas?...

O meu Príncipe atirou os ombros com um desdém soberbo. E aclamou a aparição de um grande copo, todo embaciado pela frescura nevada da água refulgente, que uma bela moça trazia num prato.»

 

Um homem de bem com a vida

 Era um outro Jacinto a quem o campo já não mais era insignificante. Cada momento novo era uma nova e alegre descoberta. Enfim, era um homem de bem com a sua vida. Aproveitando a presença do amigo, Jacinto providenciou a trasladação dos corpos de seus antepassados para a Capelinha da Carriça, agora reconstruída. Zé Fernandes, hábil observador do amigo, percebeu que Jacinto não se contentava em ser o apreciador passivo dos encantos da natureza. Ele queria participar de tudo, e surgiam-lhe grandes ideias: como encher pastos, construir currais perfeitos, máquinas para produzir queijos...


Certo dia, ao percorrer os seus domínios, Jacinto conheceu o outro lado da serra: uma criança muito franzina viera pedir socorro para a mãe agonizante. A partir desse momento, as decisões de Jacinto tomaram novo rumo, pois ele começou a preocupar-se com o lado triste da serra, e passou a fazer caridade, a reconstruir casas, a dar um novo alento à vida dos humildes. Numa das inúmeras visitas que lhe fez o narrador, Jacinto confessou que pretendia introduzir um pouco de civilização naqueles cantos tão rústicos.

O povo da região começou a agradecer as benfeitorias e logo passou a circular a lenda que o senhor de Tormes era D. Sebastião que havia voltado para ressuscitar Portugal.


Convidado por Zé Fernandes para o seu aniversário, Jacinto encontraria aí a oportunidade de conhecer os seus vizinhos, outros proprietários. No entanto, a recepção não foi aquilo que o narrador esperava. Havia uma frieza por parte dos habitantes da região, excepto da tia Vicência, que o recebeu como verdadeiro sobrinho. Ao terminarem a ceia, vieram a saber porquê daquela frieza: eles pensavam que o senhor de Tormes fosse miguelista como o avô e que pretendia restituir D. Miguel ao poder.


«E só compreendi, na sala, quando o Dr. Alípio, com sua chávena de café e o charuto fumegante, me disse, num daqueles seus olhares finos, que lhe valiam a alcunha de “Dr. Agudos:” – “Espero que ao menos, cá por Guiães, não se erga de novo a forca!...” E o mesmo fino olhar me indicava a D. Teotónio, que arrastara Jacinto para entre as cortinas de uma janela, e discorria, com um ar de fé e de mistério. Era o miguelismo, por Deus! O bom D. Teotónio considerava Jacinto como um hereditário, ferrenho miguelista, - e na sua inesperada vinda ao solar de Tormes, entrevia uma missão política, o começo de um a propaganda enérgica, e o primeiro passo para uma tentativa de restauração. E na reserva daqueles cavalheiros, ante o meu Príncipe, eu senti então a suspeita liberal, o receio de uma influência rica, novas, nas eleições próximas, e a nascente irritação contra as velhas ideias, representadas naquele moço, tão rico, de civilização tão superior. Quase entornei o café, na alegre surpresa daquela sandice. E retive o Melo Rebelo, que repunha a chávena vazia na bandeja, fitei, com um pouco de riso, o “Dr. Agudo”.»


Este jantar serviu de pretexto para o narrador mostrar a mentalidade atrasada da sociedade serrana e aquilo que a fazia sorrir Jacinto era, na verdade, um abismo entre a ignorância e o progresso. A serra estava impregnada de uma mentalidade retrógrada, ainda absolutista, enquanto no final do século polvilhavam novas teorias e doutrinas filosóficas e políticas. Tentou-se ainda um jogo de voltarete para animar a noite, mas a ameaça de uma tempestade levou os convidados a baterem em retirada.


A manhã seguinte estava fresca e clara. José Fernandes levou o amigo até Flor da Malva, para visitar a sua prima Joaninha, que não pudera comparecer à reunião, pois o pai, Adrião, estava acamado. No caminho, encontraram João Torrado, um velho eremita que supôs estar diante de D. Sebastião. Esta figura ilustrava o lado da profundidade do mito na mentalidade simples, saudando Jacinto como um profeta, e tratando-o como “pai dos pobres”. Nele estão representadas a sabedoria e a simplicidade do povo.


«E um estranho velho, de longos cabelos brancos, barbas brancas, que lhe comiam a face cor de tijolo, assomou no vão da porta, apoiado a um bordão, com uma caixa de lata a tiracolo, e cravou em Jacinto dois olhinhos de um brilho negro, que faiscavam. Era o tio João Torrado, o profeta da serra... Logo lhe estendi a mão, que ele apertou, sem despregar de Jacinto os olhos, que se dilatavam mais negros. Mandei vir outro copo, apresentei Jacinto, que corara, embaraçado.

- Pois aqui tem, o senhor de Tormes, que fez por aí todo esse bem à pobreza.

O velho atirou para ele bruscamente o braço, que saía cabeludo e quase negro, de uma manga muito curta.

- A mão!

E quando Jacinto lha deu, depois de arrancar vivamente a luva, João Torrado longamente lha reteve com um sacudir lento e pensativo murmurando:

- Mão real, mão de dar, mão que vem de cima, mão já rara!
Depois tomou o copo, que lhe oferecia o Torto, bebeu com imensa lentidão, limpou as barbas, deu um jeito à correia que lhe prendia a caixa de lata, e batendo com aponta do cajado no chão:

- Pois louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, que por aqui me trouxe, que não perdi o meu dia, e vi um homem!

Eu então debrucei-me para ele, mais em confidência:

- Mas, ó tio João, ouça cá! Sempre é certo você dizer por aí, pelos sítios, que el-rei D. Sebastião voltará?

O pitoresco velho apoiou as duas mãos sobre o cajado, o queixo da espalhada barba sobre as mãos, e murmurava, sem nos olhar, como seguindo a procissão dos seus pensamentos:
- Talvez voltasse, talvez não voltasse... Não se sabe quem vai, nem quem vem.»


A chegada a Flor de Malva prepara o desfecho do romance. Joaninha, que não se apresenta sequer numa fala na narrativa, jovem de uma formosura ímpar, estaria destinada a ser a senhora de Tormes.


«Mas, à porta, que de repente se abriu, apareceu minha prima Joaninha, corada do passo e do vivo ar, com um vestido claro um pouco aberto no pescoço, que fundia mais docemente, numa larga claridade, o esplendor branco da sua pele, e o louro ondeado dos seus belos cabelos, - lindamente risonha, na surpresa que alargava os seus largos, luminoso olhos negros, e trazendo ao colo uma criancinha, gorda e cor-de-rosa, apenas coberta cima uma camisinha, de grandes laços azuis.

E foi assim que Jacinto, nessa tarde de Setembro, na Flor da Malva, viu aquela com quem casou, em Maio, na capelinha de azulejos, quando o grande pé de roseira se cobrira já de rosas.»


Cinco anos se passaram em plena felicidade por ver correrem por aquelas terras duas fidalgas crianças, Teresinha e Jacinto. Os caixotes embarcados de Paris enfim chegaram a Tormes e serviram para demonstrar o total equilíbrio do protagonista, aproveitando o que poderia ser aproveitado e desprezando as inutilidades da civilização, justificando deste modo a observação feita por Grilo: Sua Excelência “brotara”. Certamente Jacinto descobrira os seus melhores valores: era feliz e fazia os outros felizes. Algumas vezes Jacinto falou em levar a esposa para conhecer o 202 e a civilização, mas o projecto, por um motivo ou por outro, era sempre adiado.


Quem voltou a Paris foi Zé Fernandes e lá, sentindo-se abandonado e entediado, descobriu uma porção de fantoches a viverem uma vida falsa e mesquinha. Percebeu que os antigos conhecidos eram seres frágeis e vazios, idênticos entre si e massas impessoais, amorfas, feitas para agradar ou desagradar os outros conforme os seus interesses. Não suportando a cidade, retornou a Portugal. Este serrano que anteriormente valorizava os encantos da civilização foi tomado pelos mesmos sentimentos de Jacinto e confirmou uma simples verdade. No fundo, reabilitou Eça de Queirós com o seu Portugal.


«Arrastei então por Paris dias de imenso tédio. Ao longo do Boulevard revi nas vitrinas todo o luxo, que já me enfartava havia cinco anos, sem uma graça nova, uma curta frescura de invenção. Nas livrarias, sem descobrir um livro, folheava centenas de volumes amarelos, onde, de cada página que ao acaso abria, se exalava um cheiro de morno de alcova, e de pó-de-arroz, de entre linhas trabalhadas com efeminado arrebique, como rendas de camisas. Ao jantar, em qualquer restaurante, encontrava, ornando e disfarçando as carnes ou as aves, o mesmo molho, de cores e sabores de pomada, que já de manhã, noutro restaurante, espelhado e dourejado, me enjoara no peixe e nos legumes. Paguei por grosso preços garrafas do nosso rascante e rústico vinho de Torres, enobrecido com o título de Chatêau-isto, Château-aquilo, e pó postiço no gargalo. À noite, nos teatros, encontrava a cama, a costumada cama, como centro e único fim da vida, atraindo, mais fortemente que o monturo atrai os moscardos, todo um enxame de gentes, estonteadas, frementes de erotismo, zumbindo pilhérias senis. Esta sordidez da planície me levou a procurar melhor aragem de espírito nas alturas da Colina, em Montmartre; - e aí, no meio de uma multidão elegante de senhoras, de duquesas, de generais, de todo o lato pessoal da cidade, eu recebia, do alto do palco, grossos jorros de obscenidades, que faziam estremecer de gozo as orelhas cabeludas de gordos banqueiros, e arfar com delícia os corpetes de Worms e de Doucet, sobre os peitos postiços das nobres damas. E recolhia enjoado com, tanto relento de alcova, vagamente dispéptico com os molhos de pomada do jantar, e sobretudo descontente comigo, por me não divertir, não compreender a cidade, e errar através dela e da sua civilização superior, com reserva ridícula de um censor, de um Catão austero. “Oh senhores!”, pensava eu “pois não me divertirei nesta deliciosa cidade?” Entrara comigo no bolor da velhice?»